vitrine-magickando08

Magickando 08 – Glossário Magicko II

Praise the Sun!

Magickando é o seu novo podcast sobre magia e capirotagem. Entenda finalmente sobre as artes ocultas de maneira clara, objetiva e descompromissada. Pelos olhos de Andrei Fernandes, Marcos Keller, Juliana Ponzilacqua, Livia Andrade e Vinicius Ferreira. No episódio de hoje, vamos continuar tirando a poeira dos livros e explicar para quem é preguiçoso os mais utilizados termos do glossário magicko.

Nos siga nos Twitter e curta nossa página no Facebook.

Este podcast é um oferecimento Penumbra Livros;

Sigilão dos Magickeiros para a vergonha presidencial;

Calendário Lunas pela ouvinte Ally Ribeiro;

 

Posts relacionados

Tags:, , , , , , , ,
Post anterior Próximo post
  • Passando só pra dar um toque sobre o cast e meio que fazer um lembrete pra mim mesmo de voltar aqui amanhã. O episódio no qual o Keller relata o seu acesso ao eu negro é no podcast sobre magia do Caos, sei disso pois ontem foi a primeira vez que escutei esse podcast (e escutei essa pare umas três vezes pra me concentrar no relato e parar de rir da situação), e isso faz parte de uma série de coincidências estranhas que ocorreram essa semana.

    Essa parte não vai fazer muito sentido, mas serve como uma promessa de voltar aqui e terminar o relato. Dee, RAW, Madras (credo), mindfuck, Liber Null.

    Agora chega, é uma da manhã e amanhã tenho 12h de plantão! Meus parabéns pelo trabalho de você e até amanhã

    • Continuando o relato após um longo e revigorante coma. Essa parada de ficar ligada nas coincidências é algo tranquilo pra mim, que faço essa parada desde moleque. Depois de voltar de viajem pra casa dos meus pais, tava tentando me sintonizar de novo no clima e aceitar que os exercícios realizados depois de um tempo de inércia nunca produzem bons resultados (pelo menos pra mim). Durante um plantão noturno tranquilo, aproveitando a escassez de pacientes comecei a ler um pouco sobre Timothy Leary, o que me levou a procurar algo dele no youtube que estivesse legendado. O exercício seguinte foi buscar algo do mesmo jeito sobre o Robert Anton Wilson, e infelizmente a única coisa bem legendada foi uma breve entrevista que ele fala sobre a operation mindfuck, por sinal algo genial. Quando finalmente subi para o quarto de descanso do plantonista, resolvi ouvir mais uma vez o MFC sobre John Dee.

      No dia seguinte, enquanto me organizava e decidia sobre a minha próxima leitura acabei lembrando que eu negligenciara o Psiconauta, já que ele se dedica a práticas e estudos em grupo e eu moro em uma cidade de quinze mil habitantes e nem penso em procurar uma galera do mesmo rolê por aqui. Percebi que tinha cometido um erro horrível, pois nessa parte o Carrol explica um monte de coisas que eram dúvidas minhas. E acabei tendo uma surpresa extremamente agradável quando ele cita brevemente Dee e a operation mindfuck de RAW.

      Falando em RaW, existe alguma possibilidade da Penumbra ou qualquer outra editora publicar os seus livros aqui no Brasil. Recentemente adquiri A Ascensão de Prometeus da Madras e, puta que pariu, esse livro dá vergonha de colocar com os outros na estante. Esse livro é a prova de que um bom conteúdo acaba sendo prejudicado pela formato no qual ele é apresentado. No dia que o livro chegou aqui em casa, a caixa da Amazon ainda contava com o recém lançamento dos contos do Lovecraft pela Darkside e A Arte dos Indomados pela Penumbra. Depois de folhear o livro a minha vontade era botar ele de volta na caixa e tacar fogo, que coisa mais porca!

      • Desculpem a verborragia.

      • Sobre o ‘Ascensão de Prometeus’, você comentou sobre a tradução ou sobre a diagramação?

        • A tradução não me incomoda, até porque não tenho competência pra avaliar isso. O problema é todo o resto, da escolha da capa, passando pelas péssimas e porcamente reproduzidas ilustrações até a diagramação. Pra quem não conhece ou não foi introduzido anteriormente, ele parece mais um livro vagabundo de auto ajuda.

          • Na Amazon tem a reclamação de um cliente que comprou a edição da Madras. Página faltando, com xerox no lugar. Bem dantesco o cenário.

          • Não tenho o costume de folhear o livro antes de ler, mas sinceramente não ficaria surpreso.

  • Daniel dos Santos

    Para fazer aquele banimento massa, depois de ir no sambão, usamos A-GE-PÊ?
    ;p

    PS.: Tomei o maior susto quando o Vinicius começou com o iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! haha

  • Tiago Simão

    O filme “Fragmentado” mostra bem bacana a assunção forma-Deus 😉

  • Guilherme Ferreira

    Opa, tava ouvindo decreptos, vou até parar aqui.

  • Aqualad/Muleque-Piranha

    Skylab pode até não ser um magão da porra

    mas fez a melhor musica sobre banimento

  • Muito legal o episódio! Escutei duas vezes para pegar umas coisas.

    Queria comentar e perguntar umas coisinhas, mas vou pesquisar com mais calma:

    1) O estado de gnose pareceu um estado alterado de abertura de possibilidades de si, tanto positivas ou negativas. É mais ou menos isso?
    Tenho a impressão que vez ou outra atinjo esse estado através da música.

    2) A ascensão da forma divina seria esse esforço de vivenciar um arquétipo de forma a isso trazer desenvolvimentos de si mesmo?

    3) A coisa da falta de palavras, muitas vezes vivencio nos processos de incorporação e psicografia. Há casos em que dá a impressão que não cabe em você mesmo. Isso é bem interessante.

    4) Confesso que quando a Lívia falou em conselhos do He-Man, lembrei desse abaixo. E não foi uma pandeguice do dublador ou de alguém, o episódio tratava de sequestro de uma criança, aí aproveitaram para falar de abuso sexual nos conselhos do He-Man:

    5) Essa parte do eu de morte achei bem interessante. Esse tipo de catarse é importantíssima mesmo. Algo que me assusta muitas vezes é ver conhecidas e conhecidos que casarem com seus pais e mães, chega a assustar.
    Essa busca de autonomia é um processo muito complexo e nisso o processo de ascensão a forma divina pareceu-me bem interessante.

    6) Sobre o cansaço dos trabalhos mais difíceis, quando pratiquei trabalhos mediúnicos sozinho senti isso. Normalmente em trabalhos em centro, com mais gente e tal, o efeito acaba sendo ao contrário. Mesmo trabalhando com egrégoras mais complicadas, o trabalho em conjunto acaba desgastando menos individualmente.
    Apesar, que se ao final do trabalho não “fechar” o chackra básico e o umbilical, pelo menos na minha experiência pessoal, o cansaço é maior.

    7) Achei muito interessante que a parte do banimento e criação do espaço mágico. Nos trabalhos práticos de espiritismo – tendo em mente que os centros não funcionam sempre da mesma forma -, mas se faz esse roteiro usando uma técnica diferente, mais focada em visualização.

    8) Eu faço um processo similar no banho mesmo. Para mim, a água corrente ajuda a mentalizar o reequilíbrio de chacras e a criação de cúpula de proteção. Em rio, água de rio, cachoeira, mar, vai que é uma beleza.

    9) Ao sair de casa faço isso também tanto para separar os ambientes psicologicamente, mas para não virar uma esponja por aí. Mesmo na escola de música, cerco a sala que dou aula, para evitar que questões internas minhas, do ambiente ou do aluno adentrem a sala e atrapalhem todo o processo.

    10) Aguardando o episódio sobre viagens astrais.

    11) No relato do Vinícius de não saber lidar com o que via pelos 13 anos e ninguém ter instruído, na prática, muita gente ligada ao espiritismo não lida bem com esses fenômenos e bem menos orientar. Outros conhecem e ficam com medo de orientar criança achando que não é a idade correta e coisas assim… Complicado…

    12) Ainda vou tentar novamente as formas de banimento que vocês comentaram. Tenho sérios problemas com rituais que exigem movimento e uso de mantras. No primeiro é pura preguiça, talvez por isso esteja gordo, e tenho facilidade com técnica de visualização. No caso do outro, mania de músico de prestar atenção na afinação que estou fazendo e tal, aí esqueço que o mantra é meio.

    Tudo de bom a todos e parabéns pelo trabalho!

    Tiago de Lima Castro

    • Sobre higiene peniana, estive pesquisando e o mais correto é lavar antes a mão, usar um papel para não ter gota na cueca e depois lavar a mão novamente. Isso evita levar infecções ao pênis, a gota final na cueca, ou armazenada no prepúcio, ajuda a criar o ambiente propício a uma bactéria que na mulher causa vários problemas.

      O pior, que além disse existe o auto-exame de testículos que não aprendemos a fazer, e deveríamos para evitar câncer no testículo e outros problemas…

  • Andrei Carlos

    todos os andreis usam foninhos pendurados na camisa? Só saio de casa com esses foninhos.

    • É o sigilo do fone a qualquer momento quando o papo fica chato

  • José Roberto Americo

    Sobre o role de sair do corpo/gnosis no headbanging:

    Estava em uma roça de candomblé mês passado, festa de Exu, algumas entidades estavam incorporadas e tudo mais. Tinham algumas pessoas que estavam com dificuldade, talvez por inexperiência ou algo do tipo, sendo que as entidades começaram a dançar ao lado delas dando “ombradas”, girando e passando as costas nelas, bem parecido com um mosh. Parecia que a pessoa estava sendo tirada do corpo a força nos encontrões que vinham de todos os lados, basicamente uma rodinha punk do astral.

  • Passo o programa inteiro rindo. Amo vocês

  • Existe uma grande lacuna editorial brasileira, e a Penumbra seria a editora perfeita para preencher esse vácuo; Editar no Brasil o ‘Dictionnaire Infernal’, do Collin de Plancy. Versão ilustrada, edição pra deixar na mesinha de centro na sala!

    • Hmmmmm……. será???

      • Das 500 ilustrações, só do Louis Le Breton são 69 gravuras. Além da área ocultista, esse livro também poderia ser distribuído como livro de arte, focando estudantes e apreciadores de xilogravura/calcogravura.
        Opinião de um bacharel em belas artes, n00b em magia 😉

  • Whatsapp do Costinha #Rebirth

    Só lembro da sequência das vogais por conta da música do SOAD. Eu encaro como um exercício de respiração e concentração. E funciona, já que a respiração dita o ritmo do seu corpo, que é sua única forma de interagir com o mundo.

  • Larissa Portela

    olá galeris do capiroto, queria dizer que achei sensa esse episódio! (e o ep 7 também, to adorando o glossário. me perco em algumas coisas mas escutei mais de uma vez os dois eps e sempre tem a opção de dar um google em algumas coisas né?)

    quando vocês falaram de banimento me lembrou de umas semanas atrás que eu estava muito sensível. chegou no ponto de um dia abraçar uma amiga que estava muito nervosa e também me sentir nervosa, começar a tremer e a suar nas mãos. tava bem frequente isso e resolvi falar com o meu pai de santo sobre esses ocorridos de sugar das pessoas o que elas estavam sentindo. ele me passou uma oração e eu comecei a fazer todos os dias assim que eu acordava. agora percebi que estou usando essa oraçãozinha como banimento, e tem funcionado muito bem!

    continuem sendo maravilhosos, um beijo no coramão <3

  • Luigi Choffe

    Eu não achei o artigo sobre a ascensão de forma deus, tem o link ae ??