vitrine-magickando

Magickando 10 – Banimentos

Praise the Sun!

Magickando é o seu novo podcast sobre magia e capirotagem. Entenda finalmente sobre as artes ocultas de maneira clara, objetiva e descompromissada. Pelos olhos de Andrei Fernandes, Marcos Keller, Juliana Ponzilacqua, Livia Andrade e Vinicius Ferreira. No episódio de hoje, vamos juntar as mãos cantando kumbaya para nos proteger da capirotagem.

Nos siga nos Twitter e curta nossa página no Facebook.

Comentado nos recados;

Este podcast é um oferecimento Penumbra Livros;

Sigilão dos Magickeiros para a vergonha presidencial;

 

Posts relacionados

Tags:, , , , , , ,
Post anterior Próximo post
  • Eu quero ouvir só percussão!
    https://youtu.be/878zV23VrhY

  • Rodrigo Grola

    Pra quem tiver curiosidade sobre o Ritual Menor do Pentagrama (RMP) segue o link da imagem em 360º para facebook: https://www.facebook.com/design.hod/photos/a.114225875413016.1073741834.114046108764326/412715325564068/?type=3&theater

    Pra quem tiver um Google CardBoard pode visualizar em alta resolução por aqui: http://www.2vr.in/V-7KH

  • Leo Souza Tolosa

    Achei interessante esse comentário sobre o Apo Pantos Kakodaimonos pelo fato de muito do contato inicial com leituras e símbolos ocultistas se deu basicamente por bandas de heavy metal que abordam estas temáticas como no caso do Therion que as letras são compostas pelo Thomas Karlsson pra citar um exemplo. Ao ver a discussão me lembrei de uma Musica chamada “Decade Of Therion” de uma banda polonesa chamada Behemoth que possui letras com alto teor simbólico, referencias thelemicas e tudo mais. Nessa canção em especifico o refrão é a frase de banimento citada, mas que só agora vim reparar neste detalhe após uns bons 10 anos escutando essa musica.

  • Jeronimo Cardozo

    só eu que não consigo ver cores nas minhas vizualizações

    • Livia Andrade

      Não, não é so você. Por isso a repetição é importante! Uma hora vai 🙂

  • Edmilson_Junior

    Na minha infância e adolescência eu vi e senti muita coisa que não podia explicar, muitos seres bizarros, principalmente a noite. Eles nunca me fizeram mal. Com o tempo percebi que era apenas preconceito, não era pq eram feios que eram maus, estavam ali para nada mais chegar perto, passei a considerar eles como meus guardiões. Com o tempo passei a imaginar os meus próprios demônios, seres de vários tamanhos e formas, todos muito fortes, nenhuma criatura que quisesse me fazer mal teria coragem de passar por eles para chegar em mim. Seria como estar cercado de leões e tigres para me proteger de lobos. Assim eu dormia tranquilo.

  • Andrei

    Quando falam “Vocalize as vogais devagarinho, não faça ieaouuuuuuuuaoaeieieiiiii” só consegui pensar em uma coisa:

    • Livia Andrade

      Obrigada por isto!

  • Muito bom o episódio, sempre com uma dose certa de diversão e informação!
    Pelo que percebi, os rituais de banimento (tanto o RGP como o RMP) podem ser feitos para se criar um espaço de proteção pessoal, que me acompanha para onde for, como no caso relatado pela Juliana de fazer o banimento para poder andar na rua sem ser importunada, ou para se criar um espaço físico protegido, como no caso do quarto do Keller ou novamente no caso da Juliana, quando tentaram invadir o apartamento e não conseguiram. Imagino que isso seja definido no momento em que determinamos o que queremos banir durante o ritual. Poderiam comentar? Ou viajei e não tem nada a ver?
    Parabéns e continuem com ótimo trabalho!

  • Thiago Guedes

    Sobre o comentário do Andrei de se sentir desprotegido ao dormir, eu já senti isso mas depois de acordar… Sonhei que tinha uma garota de olhos brancos que que me perseguia por todo canto e eu só fugia. O sonho terminou com uns negos de olhos fechados fazendo uma barreira entre mim e ela. Acordei de supetão com uma certeza do fundo da alma que eu tinha que fazer banimentos, pedir proteção ou algo do tipo.(Por eu morar sozinho o cagaço foi multiplicado por 10). Depois que fiz o RMP e RGP senti que a situação tava de boa e eu podia voltar a dormir.

  • Andrei Carlos

    Caras, vocês já pensaram em chamar o Saulo Calderon pro programa? Ele é líder o Grupo Viagem Astral no Brasil. O cara tem muito conteúdo sobre experiências fora do corpo e também é um ótimo piadista.

  • Pedro Santos

    Fizeram um banimento contra todas as referências que supostamente iriam ser colocadas como “link no Post”?

  • Larissa Portela

    só acho que os ouvintes do magickando merecem um descontinho do amor na hora de adquirir o liber null por aquela livraria sensa, a penumbra livros……

  • Sor Lucas

    O Rubi Estrela é o meu preferido, bate uma emoção bem forte quando mando um bem feito

  • AnymA Mazzucatto

    Sou mais uma do time de que fazia banimento sem saber que tinha mome próprio… Fazia por puro instinto, sendo uma esfera, como dito pelo Andrei ou algo como um casulo com varias camadas a minha volta,dependendo do momento e da rapidez que era necessário para o momento… Tenho o hábito se imaginar um (ou vários, de varias formas com diferentes personalidades e cores) dragões por perto, o que ainda me ajuda na proteção… e como já dito, RPG ajuda nas maXias, e também nas visualizações… ^^

  • Tibério Augusto da Rosa

    Acredito q a visualização das cores é uma reafirmação da vibração, pq cor é a “vibração” da luz.

  • Sir Jones Kast, Ph.D.

    Olhaí…que delíci…não, pera.
    Confesso que eu tinha medo de vir aqui e escutar esses podcasts, achei que só de escutar ia trazer capirotos pra cá e coisa e tal. Mas resolvi dar uma chance e ver como era.
    Parabéns, é de boa e conhecimento nunca é demais. Claro que não vou praticar nada disso, meu cu já é muito pequeno (e assim sempre será), e não quero que ele suma de uma vez se der alguma merda.

    Sempre tive curiosidade sobre o que é MAGIA, ainda tento entender melhor suas definições e como realmente funciona. Você lançaram várias ideias e cada um tem a sua definição, mas foi em um quadrinho de Marvel aonde o mago supremo Dr. Estranho, tenta explicar para o cético Homem de ferro, que é tipo uma tecnologia. Mas ainda me é um conceito aberto e complexo.

    Tipo, o que é possível e o que não é possível usando de magia?! Qual os limites da magia?! Existe o impossível para quem pratica magia?! Pode tudo?!
    Na ficção ela é mostrada de milhões de formas diferentes, como nos filmes, games, desenhos e quadrinhos pode praticamente TUDO, desde modificar a realidade, o tempo, espaço e tudo o mais.
    Se fosse assim, não teria tudo um preço? Ou bastaria saber os feitiços e ter “maná” pra fazer isso acontecer?!
    Vocês sabem responder alguma dessas minhas dúvidas?!

    P.S. Fundo preto do layout do blog fode a vista. Mudem isso. Plis.

    • Livia Andrade

      Dá uma escutada no ep sobre medo 🙂

  • Wilson Lira Cardoso

    Sobre o comentário do Vinicius sobre o Al Vel Legis 1:44, é interessante que eu tava lendo recentemente o magick without tears e tem diversos capítulos em que o próprio crowley destaca essa passagem como central para a prática mágica, o que da pra conferir abaixo (capitulos 17 e 34, mas tem outros)

    https://www.bibliotecapleyades.net/crowley/mwt/mwt_17.htm

    https://www.bibliotecapleyades.net/crowley/mwt/mwt_34.htm

  • Waldeir Brito

    muito massa o episódio e o Keller parecia dando nota pra escola de samba na hora das frases dos rolê